Arte Corpórea

O interior da pele, pelos dedos, os fiapos de roupa, pelo chão, o sabor salgado nos lábios e o ardor de álcool nos olhos e o peso bruto até ao interior do ventre. Os sons e suores secretos, o movimento subterrâneo da carne e o aperto periogoso. O suor da pele, o emaranhado dos cabelos, o sujo dos movimentos, o suplicado dos olhos, o molhado dos músculos, a o ardor do peito, a violência das nádegas, o sabor da mulher, o calor intenso, os sons sem razão, os lábios entreabertos e os olhos semifechados,

imagea ferida por sarar, o vermelho do sangue, o apetite pela cor, o calor do que não se diz, do que se sente no alento final, na pulsão final, na pressão final,

a morte doce e o sabor triste do que acaba e é efémero e é da carne e é de nós e não se diz e não se explica. E dormir, e dormir, ardidos. Até amanhã, quando tudo recomeça.

Enviar um comentário